Foto: EBC/reprodução

Como os artistas percebem a presença da censura nos seus processos artísticos e na recepção do público? Quais são os ataques mais recorrentes que eles sofrem atualmente? O Observatório de Censura à Arte quer ouvir profissionais da cultura de todo o Brasil para compreender a percepção do cerceamento à liberdade de expressão artística no país. Se você é profissional da área ou conhece alguém que sofreu ataques, acesse o formulário e nos ajude a investigar a violência contra os artistas no Brasil.

A pesquisa pretende identificar se os artistas ouvidos já sofreram algum tipo de violência relacionada a seu trabalho ou se conhecem colegas que já passaram por essas situações. Para além da censura a obras de arte, o levantamento tem como foco também outras formas de ataque e intimidação ao fazer artístico, como ameaças, discurso de ódio, detenções e processos sofridos na Justiça. Os dados serão analisados a partir de uma reflexão teórica sobre o conceito de censura por um viés interseccional, que engloba também os direitos humanos e a diversidade cultural.

Os resultados da pesquisa serão publicados no Dossiê Arte, Diversidade e Liberdade, publicação digital gratuita que propõe uma reflexão sobre a história da censura a produções culturais brasileiras e seu entrelaçamento com temáticas afro-religiosas, feministas e queer. O dossiê será publicado no site do Nonada – Jornalismo Cultural e tem financiamento do edital Criação e Formação Diversidade das Culturas, realizado com recursos da Lei Aldir Blanc nº 14.017/20. 

O Observatório de Censura à Arte é um projeto jornalístico do Nonada que registra casos de censura à arte no país desde o cancelamento da mostra Queermuseu, em Porto Alegre. A plataforma já mapeou mais de 50 casos, incluindo cancelamento de shows e palestras, destruição total ou parcial de obras de arte e até mesmo detenções de artistas durante ensaios. 

Segundo o artigo “Isto Não é Censura – a construção de um conceito e de um objeto de estudo”, da professora de Sociologia da USP Maria Cristina Castilho Costa, “a censura atua de forma a inibir certos conteúdos, sua menção ou defesa, sua discussão, buscando apagar interpretações da realidade não oportunas a certos grupos. Tende também a promover a autocensura. Isso significa que a principal motivação do ato censório e que o caracteriza é seu cunho ideológico”. Junto ao aumento de casos de censura no país, episódios de investigação na Polícia Federal e processos judiciais contra artistas têm se intensificado nos últimos anos. Em 2021, o Nonada registrou mais de 15 ataques e detenções a artistas do hip-hop, como contamos nesta reportagem.

Acesse a pesquisa neste link

Conheça mais sobre o Observatório de Censura à Arte.

Para mais informações, entrar em contato pelo email observatorio@nonada.com.br

%d blogueiros gostam disto: