...
Anselmo Cunha/Nonada

Pesquisa revela que 76% dos projetos de leitura sofrem com falta de verba no Brasil

Ainda que impactem cerca de 220 mil pessoas no Brasil, os projetos de incentivo à leitura sobrevivem majoritariamente de recursos próprios ou pontuais. É o que aponta a pesquisa O Brasil Que Lê, estudo que mapeou 382 projetos de formação de leitores, como bibliotecas comunitárias, contação de histórias e outras iniciativas. O estudo é uma iniciativa do Instituto Interdisciplinar de Leitura e da Cátedra UNESCO de Leitura da PUC-Rio em conjunto com o Itaú Cultural.

Segundo o estudo, a principal dificuldade que estes projetos enfrentam é a falta de recursos financeiros, apontada por 76% das iniciativas. Embora 32% contem com algum apoio público, 24% com apoio privado e 24% tenham acesso a editais, um total de 27% dos projetos não têm acesso a nenhum tipo de recurso financeiro. 

Uma das consequências da precarização da área é a necessidade de trabalho voluntário para a sustentabilidade das ações, na medida em que 43% das iniciativas contam apenas com o voluntariado. “São informações que constatam as dificuldades e ao mesmo tempo o esforço de tantos brasileiros e brasileiras que fazem esse Brasil valer a pena. Há transformações que estão acontecendo e há possibilidade de tornar realidade um país que lê”, observa Gilda Carvalho, diretora do iiLer/Cátedra UNESCO de Leitura PUC-Rio.

Descaso com o Plano Nacional do Livro e Leitura 

Um destaque revelado na pesquisa é a ausência de projetos que citam o Plano Nacional do Livro e Leitura (PNLL) como agente de articulação para a atividade. O PNLL foi criado em 2006 a partir de demandas e diálogos entre agentes públicos e da sociedade civil para elaborar diretrizes e metas com o objetivo de incentivar o acesso à leitura e a cadeia produtiva do livro. Desde 2016, no entanto, o Plano foi congelado pelo governo Federal, que não injetou mais recursos para a execução das metas. 

“O plano nacional é um instrumento brilhante e fundamental para a política pública e deveria ser encarado como política de Estado, e não de governo. É uma pena que a gente construa um instrumento tão poderoso que demandou luta de tanta gente e fique à mercê de quem está na cadeira. Isso é muito pequeno para o país que nós podemos ser”, lamenta Denise Ramalho, coordenadora do grupo de pesquisa.

Na avaliação de José Castilho, professor e consultor da área, “o aprendizado do PNLL resultou em uma busca institucional para tentar interromper essa grande chaga da política pública brasileira que é a descontinuidade”. Em 2018, foi aprovada a Lei Nacional do Livro e Leitura, que garante a execução e a renovação do plano. Desde a provação, no entanto, “a lei foi totalmente engavetada como se não existisse”, destaca o professor.

ilustração: Joanna Lira

Em compensação, os planos municipais e estaduais do setor foram citados na pesquisa por 28% e 20% dos projetos, respectivamente, bem como a Rede Nacional de Bibliotecas Comunitárias (29%) e o Proler (10%), programa dos anos 1990 que ainda resiste. “É interessante perceber a permanência e a intersecção das cidades e dos estados que desenvolveram o desdobramento do Plano Nacional. Há uma grata confirmação de que você tem de fato uma relação de entusiasmo da sociedade civil quando existem políticas públicas na área”, comenta Castilho. 

O descaso com o Plano reflete a mudança que a área do incentivo à leitura enfrentou nos últimos 10 anos em termos de políticas públicas federais. Enquanto, em 2010, o valor injetado na área chegou a R$ 95 milhões anuais, atualmente o que entra de recurso vem diretamente da Lei Aldir Blanc ou de emendas parlamentares, com a estimativa de R$ 45 milhões para a área, somando os últimos três anos.

Perfil dos projetos mapeados

Cortejo cultural na Ilha Grande dos Marinheiros (foto: arquivo/Cirandar)

Os projetos registrados na pesquisa são oriundos de todos os estados brasileiros, com exceção de Acre, Alagoas e Sergipe, se distribuem pelas capitais e interiores e atendem às mais diversas pesso­as. Os mediadores atuam em lugares e com públicos diversos, em um esforço contínuo para criar e desenvolver planos de leitura no país. Pelo menos 74% desses empreendimentos são liderados por mulheres na busca de transpor barreiras socioeconômicas e contemplar, principalmente, população desassistida.

Em sua maioria, as atividades são desenvolvidas por pessoas físicas, em um total de 42,15%, e por bibliotecas, 34,03%. Destes mediadores, 60,21% são professores; 53,14% contadores de histórias; 42,41% fazem mediação em eventos culturais, e 31,41% são bibliotecários. Por um lado, 50,79% deles têm qualificação para a tarefa que desempenham e, por outro, 9,42% não têm formação específica.

O estudo também identificou o conceito de leitura na visão dos responsáveis pelas iniciativas. Para 88% dos entrevistados, a leitura é um meio de ampliação do universo cultural e fonte do conhecimento. Para 79%, também é fonte de diversão. Já 71% veem a leitura como necessária para a formação do pensamento crítico. 

O uso da tecnologia digital por esses projetos foi impulsionado pela necessidade de vencer o isolamento social adotado durante a pandemia de Covid-19. O Brasil que Lê detectou que 79% dos projetos analisados trabalham com, pelo menos, uma mídia social. Ainda, 41% dos projetos apontaram que oferecem ações de acessibilidade cultural a pessoas com deficiência.

Divulgação de atividades e/ou obras literárias, videoconferências e eventos virtuais estão entre as atividades mais realizadas. O Facebook é a rede com maior popularidade entre os projetos de leitura, com cerca de 62% presentes nesta plataforma. Em seguida, o Instagram, com, aproximadamente 60%, e o YouTube, com 37%. Populariza-se, também, o uso de whatsapp: 57% dos projetos utilizam a plataforma, sendo que destes, 30% são trabalhos totalmente desenvolvidos no próprio aplicativo.

Ler mais sobre
leitura
Escreve preferencialmente sobre políticas culturais, culturas populares e arte engajada.
Comunidades tradicionais Reportagem

Com pandemia e sem escola, crianças indígenas enfrentam desafios no país

homem puxa artista com cadeirante em uma performance em cima de um palco
Direitos humanos Reportagem

Plataforma mapeia artistas com deficiência, mas instituições culturais ainda precisam avançar