Dona Onete em frente ao Ver-o-peso (Foto: Renato Reis/divulgação)

A luta em festa na ‘Bagaceira’ de Dona Onete

Abílio Dantas*

Belém (PA) — “A felicidade do negro é uma felicidade guerreira! ”, escreveu o poeta Waly Salomão na canção Zumbi, parceria com Gilberto Gil. A audição das dez faixas de Bagaceira – quarto álbum de Dona Onete, lançado na última terça-feira, 18, dia também em que completou 85 anos – pode levar o ouvinte de primeira viagem ou o marinheiro apenas das águas de superfície da obra a captar somente a festa e a alegria contidas no novo trabalho da cantora e compositora. Alto lá.

Do pitiú à bagaceira, passando pelo banzeiro e pelo rebujo, cada palavra, história e ritmo trabalhados pela mestra traz em seu pilar de existência a escolha por um lado na guerra travada pela cultura do Norte brasileiro e seus artistas. Em Dona Onete, as armas são o humor, a sedução e o conhecimento afetuoso e profundo dos lugares de onde vem. Feliz e guerreira, Ionete Silveira Gama sabe bem o que quer.

“O que eu sempre quis foi mostrar aquilo que é nosso e que estava escondido, que achavam que era feio”, diz Onete durante a coletiva de imprensa do álbum, em um hotel em Belém. E ilustra a fala com um argumento: o pitiú do meio do Ver-o-Peso, por exemplo. Termo usado para designar um cheiro desagradável, normalmente associado a carnes cruas ou podres ou jogadas fora, como é o caso dos restos de peixe no maior mercado a céu aberto da América Latina, o pitiú, tal como o personagem urubu, foi sempre associado – e continua sendo – aos aspectos de falta de higiene e organização do cartão postal, que paradoxalmente é tratado com orgulho e vergonha pelos belenenses.

Dona Onete (Foto: Renato Reis/divulgação)

Desde que Dona Onete lançou a música “No meio do Pitiú”, em 2016, sucesso na feira e em toda a cidade onde quer que toque, o sentimento de pertencimento do cheiro e do local, em sua inteireza, com a podridão e a síntese cultural que representa, “saiu do armário”. Dona Onete escancara o que há de mais particular nos modos de viver, comer, dançar, festejar e sentir do povo do Pará, e consequentemente do povo da Amazônia. 

Com a alegria das melodias e arranjos percussivos, “pra frente”, na linguagem dos músicos, a artista não busca o ufanismo, o fácil, mas o particular que atrai como um imã a identificação coletiva. É para nós, os daqui, que Dona Onete canta, mas sem deixar de lançar uma piscadela simpática a quem queira se aproximar e nos entender.

Em “Bagaceira” não é diferente. O Ver-o-Peso está de volta, tanto na canção-título quanto em “Festa no Ver-o-Peso”, carimbó que traz novamente o Urubu malandro e a Garça namoradeira de “No Meio do Pitiú”, mas agora com convidados: Seu Rato, Dona Barata, Dona Mosca, Dona Formiguinha. Os “bichos escrotos” do rock dos Titãs, na festa de Dona Onete são os personagens que formam o quinteto para animar a festa. Eles saem dos esgotos não para afrontar ninguém, mas para festejar a vida. É feio? Dane-se. A festa é essa, e vai até o amanhecer.

Dona Onete em frente ao Ver-o-peso (Foto: Renato Reis/divulgação)

Aliás, festa é também o centro da canção “Bagaceira”. Outra palavra que tem como uso mais comum o de sinônimo de “esculhambação”, “descompostura”, festa já sem pudores de início de noite, hora em que ninguém mais se importa com nada além de se entregar aos prazeres e excessos de uma noitada.

Dona Onete assume o termo, mas agora com uma perspectiva histórica e de conhecimento de causa. Ela afirma que está associado ao bagaço de cana, mais um resto, descarte, desta vez não de pescados, mas dos engenhos do município de Igarapé-Miri, morada das lutas pela educação da professora de História e Estudos Paraenses e fundadora do Sindicato dos Trabalhadores e das Trabalhadoras em Educação Pública do Pará (Sintepp), além de militante pioneira da Central Única dos Trabalhadores (CUT), em 1983.

Com o novo álbum, volta também a reverência de Onete a mestres importantes e muitas vezes esquecidos da cultura popular do Pará. Se em canções anteriores, Mestre Lucindo, Mestre Cupijó, Mestre Celé e Mestre Verequete já foram mencionados, em “Bagaceira”, na canção “Meu boi campeou”, é a vez de Mestre Piticaia e Mestre Fabico serem homenageados.

Os dois, fundadores do Boi Ponta de Ouro, em Cachoeira do Arari, no Marajó, o primeiro, e do Boi Bumbá Flor de Todo Ano, no bairro do Guamá, em Belém, o segundo, são símbolos da criatividade, resiliência, mas também do descaso com que o poder público ainda trata os sábios guardiões dos nossos saberes. Apesar de reconhecidos em vida, os dois não tiveram o apoio necessário para viver de seus brinquedos populares. Ainda assim, marcaram gerações com seus ensinamentos e criações. Dona Onete não esquece.

Para ela, entre festas e sabores, o que importa não é o “bonito” dos padrões eurocêntricos ou sudestinos, no caso nacional. E, sim, o que pulsa no interior geográfico e subjetivo do mundo rural e urbano da Amazônia, que não pode deixar de incluir os mestres, os cheiros e os encontros da bagaceira. “Onde a festa se anima e ninguém guarda rancor”, como escreveu Verequete.

Belém, bairro da Pedreira, 21 de junho de 2024.

* Abílio Dantas é jornalista e mestre em Linguagens e Saberes da Amazônia pela Universidade Federal do Pará (UFPA)

Compartilhe
Ler mais sobre
processos artísticos
Ler mais sobre
Processos artísticos Resenha

Água Turva, um suspense ambiental no Rio Grande do Sul