Desfile de drags trouxe lendas do pantanal como inspiração (Foto: divulgação)
Desfile de drags trouxe lendas do pantanal como inspiração (Foto: Monique Zuanazzi)

Por Andriolli Costa (editor do site Colecionador de Sacis)

O som que acompanhava a performance era “Beautiful”, de Christina Aguilera, mas a inspiração e o drama que marcaram aquele desfile não poderiam ser mais brasileiros. Merineuza Joana entrou na passarela com uma longa capa marrom acetinada, de caimento reto, revelando apenas em seguida o vestido branco de corte lateral que a casca terrosa escondia. A maquiagem carregada, acompanhada pelo firme traço vermelho-sangue que lhe atravessava os olhos finalizava o conjunto de índices que o look deveria evocar. Naquela noite a drag queen representava Maní, a indígena que, conforme a lenda, deu origem à rama da mandioca.

Junto a ela, outras oito drags levaram boas doses de carisma, originalidade, coragem, talento e cultura popular de Mato Grosso do Sul para a passarela do Bar do Valu, em Campo Grande. Iara, Pé-de-garrafa, Mãe do ouro e uma série de outros seres fantásticos serviram de inspiração para o desfile Lendas do Pantanal, que ocorreu em 12 de maio de 2016, para coroar o encerramento da Corrida das Drag. A proposta era, acompanhando o sucesso do reality-show RuPaul’s Drag Race, valorizar quem faz este trabalho no estado. Toda quinta-feira, o bar exibia um episódio da oitava temporada de RuPaul. Antes disso, no entanto, uma drag local era convidada a desfilar.

Cerca de 50 pessoas acompanhavam toda semana o evento idealizado por Pamella Paine, Merineuza Joana e seu irmão Thiago Moraes – que vez ou outra se apresenta como a drag Thsymy Kissmy. Artista visual formado pela UFMS, Thiago relata que nunca acompanhou o reality americano antes do evento. No entanto, compreende os ganhos e prejuízos trazidos pelo sucesso do programa. “RuPaul é um furinho na parede. O mais positivo é ver pessoas que não estão ligadas a este universo de maneira alguma terem contato com o mundo drag pelo lado divertido e lúdico”.

Ainda que a arte drag já exista há muitas décadas no Brasil, Merineuza reconhece que há um novo boom recente impulsionado pelo programa. Ela mesma, aos 23, faz drag há um ano e meio e integra essa nova geração. “Só que esse movimento vindo dos Estados Unidos impõe certa elitização. Como se apenas aqueles padrões de drags fossem os legais, aqueles conceitos, aquela maquiagem… Não podemos valorizar só o que é de lá, mas também olhar o que existe aqui para fazer o look. Para a própria persona drag”. Fruto dessa reflexão, o regionalismo se tornou inspiração inevitável para o desfile.

Folclore na Passarela

Cruela Bloom trouxe a lenda da indígena Maní (Foto: divulgação)
Cruela Bloom trouxe a lenda de Iara (Foto: Monique Zuanazzi)

A decisão de explorar os mistérios das lendas pantaneiras veio para escapar da obviedade. “Eu não queria fazer um desfile simplesmente de bichos do Pantanal. Então fomos atrás das referências para encontrar mitos e lendas conhecidos no Estado”, conta Thiago. Ao final, as nove lendas selecionadas foram escolhidas para cada drag por sorteio. “Engraçado que o saci acabou não entrando na seleção, por que não encontramos o link dele com o Pantanal”. O perneta acabou levando um Sashay, away, antes mesmo de o desfile começar.

Inspiração não faltou na hora de representar as lendas. O pé-de-garrafa coube à drag queen Andrômeda Black, que incorporou fitinhas metalizadas ao seu conjunto – com atenção especial para os pés, fazendo referência aos pelos da criatura. Um chifre protuberante, brotando logo acima dos olhos sombreados, concluía o visual. Cruella Bloom, conhecida na noite campo-grandense pelo enorme leque que leva seu nome, recebeu um dos mitos mais disputados: a iara. Sua versão, “bem pós-moderna, bem sanguinária”, como descreve Thiago, investe na visão assassina da sereia brasileira, conhecida por arrastar para o leito dos rios os homens que encanta. Em verdade, o mito da iara é uma derivação do Ipupiara, uma criatura meio-homem, meio-peixe que assombrava os indígenas no Brasil colonial.

Foram apresentadas ainda as lendas do Tuiuiú, por Numi Black; do Minhocão, por Ravenna Queenie; da Mãe do Ouro, por Myss Angel; da Flor de Xaraés, por Rafa Spears; e do Uirapuru, pela drag Gantuna. Merineuza foi Maní e Thsymy, por sua vez, deu vida ao Negro D’água. (Você pode conferir detalhes sobre cada um dos mitos e lendas na galeria abaixo.)

As drags tiveram quase um mês para pesquisar as referências e montar o look. Tempo necessário, pois a grande maioria ainda não consegue fazer da performance sua atividade principal. Mais importante que a pesquisa, no entanto, é a própria vivência da lenda. A fauna que percorreu a passarela do desfile era fantástica, viva no imaginário do povo – o que facilita o reconhecimento pela identidade. Thiago conta que, mesmo morando na capital do MS, sempre escutou muitos causos pela cidade. “Quando eu me mudei aqui para o bairro Santo Amaro, uma das lendas que eu mais ouvia era do Pé de garrafa. Eram coisas que os meninos mais velhos contavam para a gurizada”.

O desfile é inspirado no seriado americano Ru Paul's Drag Race (Foto: divulgação)
O desfile é inspirado no seriado americano Ru Paul’s Drag Race (Foto: Monique Zuanazzi)

Na história, dizem que havia dois homens andando a cavalo onde hoje é a Praça do Papa. Um mais a frente e outro um pouco atrás. De repente, o primeiro cavaleiro escutou um assovio bem fino, quase que estridente, e respondeu assoviando de volta. Nisso seu cavalo dispara e some na frente. Quando o companheiro avança encontra ambos, animal e cavaleiro, selvagemente estripados. Marcas redondas, como se fossem o fundo de uma garrafa, se afastavam do lugar, sendo os únicos indícios do ataque sofrido.

A primeira vez que Merineuza ouviu a lenda de Maní foi contada por sua avó. Ela faleceu quando a drag ainda era criança, mas a história ficou. “Maní era uma indígena que nasceu branca, então era muito diferente das outras crianças da tribo. Isso fez com que ela ficasse muito reclusa. Certa vez, durante um longo período de fome que a tribo enfrentou, Maní acabou morrendo”, conta. Os pais da indígena decidiram enterrá-la em sua própria Oca, regando a terra com suas lágrimas. Dali, onde ela morreu, nasceu o primeiro pé de mandioca (maní-oca), acabando com a fome da tribo. Talvez se as pessoas se aproximassem mais dos saberes ancestrais, não achariam bobagem quando Dilma Rousseff propôs uma salva à mandioca. Reconhecer a força das narrativas do povo é reconhecer também seu papel na formação da identidade brasileira.

Tradição X Diversidade

O folclorista baiano Edison Carneiro propõe o folclore como uma ótima forma de sondar a alma do povo. Ele diz sobre a nossa identidade, nossa história, nossa formação cultural. No entanto, o autor também nos lembra que folclore é, acima de tudo, dinâmico. Seria um erro tentar cristalizá-lo em definições de dicionário; o povo, para além de qualquer especialista, é a autoridade máxima sobre o folclore e é a partir dessas pulsões sociais que ele vai se transformando.

Essas mudanças, no entanto, são introduzidas aos poucos, o que faz com que alguns mitos e lendas ainda carreguem em si um fundo extremamente conservador e reacionário. O caso da Mula-sem-cabeça talvez seja o principal exemplo: a mulher que se relaciona carnalmente com um padre – ou compadre – é a vítima da maldição. Reflexo de uma moralidade sexista, nestas narrativas o amante masculino quase nunca sofre qualquer castigo por ter tomado parte no ato, como a mulher fosse a responsável exclusiva por tentar o casto homem.

A inspiração de Marineuza foi Iara (Foto: divulgação)
A inspiração de Merineuza foi a indígena Maní (Foto: Monique Zuanazzi)

Thiago sofreu um pouco com estes dilemas na adaptação que fez de outra lenda que também precisou ser problematizada: a do Negro D’água. Trata-se de uma criatura que lembra um homem negro, com os dedos grudados como os de um sapo e que vive nos rios. Dizem que todo pescador deve virar um pouco de cachaça nas águas para evitar que o Negro D’água corte seus anzóis, vire sua canoa ou simplesmente o persiga com sua terrível gargalhada. Com o nome de Caboclo D’água, esta lenda está presente em praticamente todo o Brasil, carregando ainda a visão do negro – e suas características físicas – como monstruosas e assustadoras.

“Eu quis fugir um pouco desse racismo manifesto, então procurei aproximar a lenda dos monstros marinhos. No meu look, trouxe um pouco dos Zoras, do jogo Zelda, que são azuis e possuem guelras nas bochechas. Adaptei também uma estrutura para lembrar os peixes abissais, mesmo assim aquilo ficou na minha cabeça, principalmente por causa do nome do bicho”.  Interessante notar que na saga de fantasia infanto-juvenil O Legado Folclórico, o escritor Felipe Castilho faz uma opção por transformar o nome das criaturas. No livro eles são conhecidos como “Cumpadis d’água”.

Mesmo depois do desfile, ninguém reclamou com Thiago sobre a lenda. “As lendas trazem questões sociais embutidas na nossa brasilidade. Eu quando criança ouvia e lia sobre isso e achava normal. É quando a gente cresce e passa a ter outra compreensão que fica se questionando sobre essas coisas”. Thiago nos lembra que, mais do que reproduzir narrativas, é importante ter claro o que estas histórias estão comunicando.

Merineuza concorda com a preocupação necessária. “Muito do folclore é conservador, por que vem na direção de estabelecer ‘morais’, ‘limites’, ‘condutas’, recorrendo muitas vezes a estereótipos. O folclore é sim conservador, mas nem por isso é menos válido”, reflete. “Estamos num momento em que podemos reinterpretar o folclore, problematizar as lendas, desconstruir esteticamente e conceitualmente os mitos”.

Trabalhos como o desfile de drags nos ajudam a mostrar que o folclore não é eco do passado, mas voz ativa do presente de nossa sociedade. Uma sociedade de muitas vozes, plural e diversa, mas que se reconhece a partir de sua ancestralidade, de sua cultura popular. E num tempo onde tantas vozes querem falar, quem sabe, graças ao folclore poderemos finalmente as ouvir.

 

Andrômeda Black – Pé-de-garrafa

– O Pé-de-garrafa é descrito como um monstro grande, peludo e muito feroz. Possui com uma perna só que termina em forma de casco de garrafa redonda, um chifre na testa e algumas versões falam também de um único braço. Assovia para fazer as vítimas se perderem na mata. Seu único ponto fraco é o umbigo.

Cruella Bloom – Iara

Na versão escolhida para o desfile, conta-se que Iara era uma excelente guerreira indígena. Os irmãos tinham ciúmes dela, pois o pai a elogiava muito e resolveram matá-la. Iara ouviu o plano dos irmãos e acabou assassinando-os para se proteger. Indignado, o pai mata Iara e lança seu corpo no rio. Encantada pela Lua Cheia, Iara se torna uma linda criatura metade mulher, metade peixe.

Gantuna – Uirapuru

Quaraçá adorava passear pelas matas tocando sua flauta de bambu. Ele era apaixonado por uma bela indígena chamada Anahí, que já era casada com o cacique da tribo. Sofrendo pelo amor impossível, o jovem pede ajuda ao deus Tupã, que o transforma num pequeno pássaro colorido para assim livrá-lo do sofrimento. Hoje o Uirapuru, como passou a ser conhecido este pássaro, canta seu lamento choroso de amor e cala com ele a mata inteira.

Merineuza Joana – Maní

Maní era uma indígena que nasceu branca, então era muito diferente das outras crianças da tribo. Isso fez com que ela ficasse muito reclusa. Certa vez, durante um longo período de fome que a tribo enfrentou, Maní acabou morrendo. Do local onde seu corpo foi enterrado, regado com as lágrimas de sua família, nasce a primeira rama de mandioca.

Myss Angel – Mãe do Ouro

Aparecendo como uma bola de fogo luminosa, é a Mãe-de-Ouro que indica os locais de enterramento de tesouros encantados. Dizem que também aparece em sonhos, mas apenas para os escolhidos.

Numi Black – Tuiuiú 

Conta-se que um casal de tuiuiús era sempre alimentado por um índio que lhes queria muito bem. Após sua morte, o corpo do índio foi enterrado justamente onde os pássaros costumavam comer. Inconformados e famintos, passaram dias e dias sobre aquele monte de terra, até que por fim, a tristeza tomou conta das aves de vez. É por isso que os tuiuiús têm essa aparência tão triste e olham sempre para ao solo como se estivessem procurando algo.

Rafa Spears – Flor de Xaraés

Um peão pantaneiro se apaixonou pela filha de um fazendeiro muito poderoso da região. Todas as noites eles se encontravam escondidos e ele a presenteava com uma flor, para simbolizar a beleza de seu amor. Um dia, o pai da moça descobriu e provocou dizendo que o amor do casal era como aquelas flores que ele entregava: perenes, morreriam logo. O peão então pediu às águas pantaneiras por uma flor que durasse para sempre. Assim ele colheu a flor de xaraés que deu de presente para sua amada. O peão partiu para uma comitiva, ficando muitos dias fora e quando voltou, a flor estava intacta. Coube ao pai apenas abaixar a cabeça e se render ao amor do casal.

Ravenna Queenie – Minhocão 

Minhocão é uma grande serpente que habita os rios do Centro-Oeste, como Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. É o movimento dele que faz derrubar os barrancos na margem dos rios. As lendas dizem que não se pode reformar ou restaurar a igreja matriz de Corumbá, pois o Minhocão encontra-se preso pelos fios de cabelo de Nossa Senhora.

Thsymy Kissmy – Negro D’água

Dizem que o Negro D’Água só habita os rios e raramente sai dele. Seu objetivo principal é amedrontar as pessoas que por ali passam, como partindo anzóis de pesca, furando redes dando sustos em pessoas a barco. É descrito como a fusão de um homem negro, alto e forte, com um anfíbio. Apresenta nadadeiras e um corpo coberto de escamas mistas com pele.

Comentários

comentários

Powered by Facebook Comments