(Foto: Nana Moraes)
(Foto: Nana Moraes)

Texto Adriana Lampert

O acender e apagar constante da luz cênica pode ser interpretado como ferramenta para a metáfora de que os personagens tateiam na escuridão em busca de seus sonhos, sem jamais realizá-los. Krum, do dramaturgo israelense Hanoch Levin, recebe montagem da Companhia Brasileira de Teatro, de Curitiba, em uma parceria do grupo com a atriz Renata Sorrah. Carregado de desesperança, o texto revela, entre outras coisas, episódios de uma série de vidas fracassadas. Uma delas é a do jovem que inspira o título da peça, interpretado por Danilo Grangheia, que volta de uma viagem ao exterior sem nada ter aproveitado, aprendido ou conquistado. Dirigido por Marcio Abreu, o espetáculo foi uma das atrações do 22º Porto Alegre Em Cena, que se encerrou no último dia 20 de setembro.

Com influências de Beckett e Brecht (que quebram com a figura do herói, apresentando o protagonista como uma pessoa comum) a história na versão da Companhia Brasileira de Teatro revela a falta de grandes feitos de cada personagem se debruçando em priorizar essencialmente o trabalho de ator. Renata vive Tudra, a namorada submissa de Krum, que acaba sendo abandonada por ele e decide casar com Tachtich (Rodrigo Ferranini), a quem despreza. Sua amiga Dupa (Inez Viana) é uma mulher solitária, que não consegue dar certo nos relacionamentos, e cede às investidas de Tugati (Ranieri Gonzalez) – um hipocondríaco, que morrerá antes que os dois consigam fazer sexo. A trama conta ainda com a rotina ordinária do casal Felicia (Cris Larin) e Dolce (Edson Rocha) –  que não se suportam, mas são inseparáveis – , com o desgosto explícito da mãe (Grace Passô) de Krum, que não poupa palavras para criticar a inércia do filho; e com a tara insaciável do italiano sem conteúdo interpretado por Rodrigo Bolzan.

A encenação é minimalista, mas conta com algumas partituras e jogos corporais que estabelecem um ritmo de repetição, como se o dia seguinte fosse um espelho do anterior. Marcada pela entrega profunda do elenco a vidas que sofrem as angústias típicas de seres humanos comuns e sem êxitos para comemorar, ainda conta com o uso de um microfone, que por vezes surge como um recurso na voz dos atores para reverberar parte do texto. E apesar de abordar temas que passam pelo abandono, a violência, a inconstância, a falta de auto-estima, as impossibilidades e o medo de mudar, o espetáculo consegue ser também engraçado, devido aos diálogos irônicos estabelecidos entre os personagens.

Escrito em 1972, o texto se mostra atual, em um mundo onde as redes sociais, usadas para se mostrar méritos e conquistas nem sempre reais, mascaram um universo onde o que predomina é mesmo a mediocridade. Para sugerir uma perspectiva distanciada da ânsia vivida por alguém que não sabe ao menos onde quer chegar, o próprio elenco se coloca em alguns momentos no papel de espectador da peça, lembrando que também nós somos muitas vezes espectadores de nossas próprias vidas (deixando de assumir o protagonismo desejado). Exatamente por isso que, após 110 minutos de revezamento em torno do existencialismo dos personagens da trama, é impossível não sair do teatro sem o velho questionamento de qual o sentido real da jornada de cada um neste mundo – uma vez que, havendo tantas possibilidades, ainda assim é possível não restar nenhuma.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support