...

Quarta mais que nobre: a alegria e a raça da Imperadores do Samba

Passista da Imperadores do Samba (Foto: Gisele Endres/Nonada)
Passista da Imperadores do Samba (Foto: Gisele Endres/Nonada)

Fotos Gisele Endres

“Nunca fui numa quadra de escola de samba!”, disse com ansiedade para Gisele, nossa fotógrafa. Por volta das 21h15, chegamos na quadra da Imperadores do Samba. Era a Quarta Nobre, um ensaio do desfile de carnaval, e tinha como convidados as escolas Bambas da Orgia e União da Vila do IAPI. Toda vez que olhava a quadra lotada de gente, mais eu tinha a impressão de que aquela seria uma grande noite.

Tanto a quadra quanto o camarote já estavam lotados às 22h. Havia famílias, casais, grupos de amigos. Pessoas de todas as idades e de todas as cores, com predominância de negros.

De início, um susto: faltou energia no meio da apresentação da banda de abertura Zorra Total. Após aproximadamente 20 minutos sem luz e com muita expectativa, a energia volta e a banda volta a tocar, com ritmo de samba, alguns clássicos da música popular brasileira, como Tim Maia, Cláudia Leitte, entre outros. Pouco tempo depois, era hora de um momento esperado: o ensaio da primeira escola de samba.

Bambas da Orgia

Bambas da Orgia foi uma das escolas convidadas da noite (Foto: Gisele Endres/Nonada)
Bambas da Orgia foi uma das escolas convidadas da noite (Foto: Gisele Endres/Nonada)

Pouco depois do show do Grupo Zorra Total, a escola mais antiga de Porto Alegre e principal campeã gaúcha coloriu a arena da quadra de azul e branco. A bateria – formada por umas cinco mulheres e o restante por homens — entoou as primeiras batucadas e já achei impactante, forte, alegre. Falando em alegria, o enredo da Bambas deste ano é sobre o sorriso: Tô rindo a toa/Na avenida quando a águia ecoa/O rei mandou sambar/Feliz quem tem o Bambas para amar.

O interessante é que o público, independente de sua escola do coração, cantava as músicas das três escolas, o que me faz pensar que a rivalidade no carnaval de Porto Alegre é apenas um mero detalhe.

O momento mais incrível foi quando entraram os passistas. Porta-estandarte, comissão de frente, mestre-sala e porta-bandeira, rainha de bateria e passistas destaque sambaram na nossa frente com uma garra e um entusiasmo que só ao vivo é possível sentir. Suas fantasias cheias de pedras, decotes e brilhos também são mais especiais de perto do que pela televisão. É tudo muito rápido, bonito e grandioso, tanto pela apresentação da escola quanto pela força de vontade dos seus componentes. Foram tocados o samba-enredo do ano e os de anos anteriores.

O ensaio da Bambas da Orgia durou cerca de uma hora. O ensaio da União da Vila do IAPI começou meia hora depois, por problemas no som. Na verdade, o som falhou em diversos momentos da noite e foi o ponto fraco do evento.

União da Vila do IAPI

Quadra lotada na apresentação da IAPI (Gisele Endres/Nonada)
Quadra lotada na apresentação da IAPI (Gisele Endres/Nonada)

A única tricolor da noite — de cores azul, vermelho e branco – fez um ensaio um pouco diferente da escola anterior. A União da Vila do IAPI procurou interagir com a plateia e tocou não só antigos sambas-enredo mas também sucessos do funk, do samba, do axé e de outros ritmos da música brasileira.

Na apresentação da IAPI, os passistas foram entrando na arena gradativamente, para cada um se destacar em seu momento — De qualquer forma, já se destacariam pelas roupas mais curtas e brilhosas que a Bambas. A bateria também me surpreendeu pelas esporádicas coreografias ensaiadas, dando um toque divertido à apresentação.

Houve um momento em que abriram as grades da arena para quem quisesse dançar junto com os passistas. O espaço encheu de gente; muita gente quis participar. A partir daí, os intérpretes (dois homens e uma mulher – isso também me chamou a atenção) conduziram a folia com músicas dançantes e animadas da música popular brasileira. Não é à toa que a escola é conhecida como “a simpatia do carnaval”.

A União da Vila do IAPI tem apenas 35 anos de história. Ela surgiu na zona norte da cidade a partir de um bloco de rua, o Bloco do Bolinha. O tema enredo da escola este ano é sobre os óculos e a visão da vida que a gente tem.

A anfitriã

Imperadores do Samba (Foto: Gisele Endres/Nonada)
Imperadores do Samba (Foto: Gisele Endres/Nonada)

A escola de samba Imperadores do Samba recém completou 57 anos de idade. Originária do Areal da Baronesa, em Porto Alegre, a escola é segunda maior campeã do grupo especial e a mais lembrada pelos gaúchos segundo o Top of Mind (que significa “mais popular”) da revista Amanhã – “Ela é conhecida como a escola do povo”, disse o diretor de carnaval Érico Leotti.

O tema da Imperadores deste ano é um tanto inusitado e interessante: “Vida vai, vida vem, qual é o segredo que a vida tem?”. Érico nos disse que, nos últimos anos, a escola tem aderido aos enredos lúdicos. “A Imperadores teve vários momentos, e ela já teve um período em que fazia enredos de contestação, de atualidades; a escola também já fez enredos históricos e de homenagens. Mas na história mais recente da escola, enredos lúdicos, como o tema de 2015 ‘A magia dos opostos, ponto de equilíbrio do universo’”. O tema enredo de 2016 questiona a origem da vida e os segredos do tempo; fala também sobre o descobrimento do fogo, da escrita e das construções milenares.

Cada escola tem sua rainha, e Jéssica é a rainha da Imperadores. Ela nos contou que frequenta a Imperadores desde criança e, por isso, foi mais fácil se tornar parte da realeza: “Eu entrei com o propósito familiar – meu pai saía na bateria e minha mãe é ritmista. Então, eu iniciei com eles e tive a graça de ser convidada pra ser a rainha da escola”. Junto com o Rei Momo, Daniano, ela esteve nesse papel durante todo o evento.

De cores vermelho e branco, a escola anfitriã da Quarta Nobre entrou em cena já tarde da noite, à 1:30h. Mas, apesar da demora, o entusiasmo não ficou para trás. O público fez um coro muito mais forte para a Imperadores do que para as escolas anteriores (afinal, aquela era a casa deles). As mulheres, que nem na Bambas, ficavam à frente da bateria — o que fiquei feliz de ver. A média de idade dos componentes era mais baixa que nas primeiras escolas – haviam passistas adolescentes e uma porta-estandarte mirim. A grande maioria dos componentes era negra, assim como na Bambas e na IAPI.

Como em fim de festa, fica tudo liberado: as grades são retiradas, e não há mais divisão entre artista e público. Todos comemoravam o carnaval como se não houvesse cansaço. Até a maior dor na coluna sumia com aquela alegria coletiva contagiante. Como disse Jéssica, a rainha da escola, “a Imperadores já é nossa religião”. Acho que o carnaval cansa, mas cura.

Galeria de imagens

Editora, nordestina, nômade e entusiasta de produções autorais. Gosta de escrever sobre música e qualquer coisa que seja cultura.
Ler mais sobre
Memória e patrimônio Reportagem

Centenário, clube negro Fica Ahí Pra ir Dizendo tem raízes no Carnaval de Pelotas

Opinião Processos artísticos

Com atraso de décadas, mostra reúne artistas negros no principal museu de arte do RS

Comunidades tradicionais Processos artísticos Resenha

Do ventre da árvore do mundo vem “O som do rugido da onça”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.