...

Céu é sua própria estrela na turnê Tropix

Céu trouxe a Porto Alegre o show de seu novo álbum Tropix (Foto: Gisele Endres/Nonada)
Céu trouxe a Porto Alegre o show de seu novo álbum Tropix (Foto: Gisele Endres/Nonada)

No último sábado (8), uma noite quente de outubro, o Opinião estava preparado para receber Céu. A cantora lançou o álbum Tropix (2016) recentemente, que passei a ouvir toda semana de tanto que gostei. Se Céu já consegue demonstrar sua criatividade sonora em estúdio, ao vivo a cantora paulistana faz isso ainda melhor.

A casa de shows encheu repentinamente. As mesas e cadeiras foram ofuscadas pela plateia, de maioria jovem adulta, que sabia bem o que queria fazer ali: dançar pra caramba. A cantora iniciou o show com “Rapsódia Brasilis”, última música do álbum novo e que caracteriza bem o Tropix: uma mistura de música eletrônica, funk, samba, rock, reggae, entre outros gêneros musicais. É um som bem difícil de definir. Céu percebeu seu valor quando foi intensamente ovacionada pela plateia, e ela, visivelmente emocionada, retribuiu da mesma forma. Depois, vieram as famosas e dançantes “Perfume do Invisível” (fez parte da trilha sonora da novela Velho Chico, da Globo) e “Arrastar-te-ei”, do mesmo álbum. Foi nessa hora que a artista mostrou que tem uma presença de palco tão sensual quanto espontânea, e sua voz é aveludada, afinada e potente, sem necessidade de filtros.

O álbum é uma mistura de ritmos que vai do reggae, passa pelo eletrônico e chega ao samba (Foto: Lia Thomas)
O álbum é uma mistura de ritmos que vai do reggae, passa pelo eletrônico e chega ao samba (Foto: Lia Thomas)

Representando o disco Caravana Sereia Bloom (2012), Céu tocou agogô em “Contravento”, música cheia de gingado que lembra canções populares nordestinas. Na intensa “Amor Pixelado”, a cantora arrepiou em transitar, com facilidade, entre duas oitavas diferentes. Além de linda e criativa, Céu também é uma ótima cantora. “Cangote”, uma das músicas mais conhecidas do CD Vagarosa (2009), ganhou, ao vivo, “uma roupagem Tropix”, como ela mesmo disse. Particularmente, eu preferi a versão do disco Ao Vivo (2014), mais swingada.

Até que sua banda, composta por Pupillo na bateria (sim, o que toca na Nação Zumbi), David Swan na guitarra, Lucas Martins no baixo e João Leão nos teclados entoaram os primeiros segundos da minha música preferida dela, “Varanda Suspensa”, acompanhada por gritos de “Fora Temer” da plateia. Tá bem claro que esse foi o melhor momento do show. Céu também cantou a nostálgica “Chico Buarque Song”, cover da banda Fellini (“em homenagem a São Paulo”, disse ela), e a calma “Camadas”, de autoria dela e da banda goiana Boogarins, ambas também lançadas no Tropix. Para fechar o destaque das músicas novas, “A Nave Vai” seria facilmente dançada numa boate nos anos 80, com elementos eletrônicos e um ritmo bastante quadrado, porém sem ser uma música chata (aliás, ela é excelente).

O pout-pourri “Malemolência” e “Lenda” também foi um ponto alto do show, visto que são músicas  populares (que também já fizeram parte de trilhas sonoras de novelas), além de terem ritmos contrastantes, deixando a mistura mais interessante. No bis, Céu mostrou a sua forte influência do reggae, chegando a cantar Bob Marley [“Concrete Jungle”, gravado em seu primeiro CD, auto-intitulado (2005)] e “Sonâmbulo”, do Vagarosa.

O milagre de Céu é juntar os melhores elementos sonoros de diversos ritmos, e fazer algo inimitável. Ser original é difícil, mas ela não precisa se esforçar pra isso. Não é sempre que uma música gravada consegue ser reproduzida ao vivo, tanto em técnica quanto em emoção. Aliando letras profundas, presença de palco, autenticidade e carinho com o público, ela e sua banda me surpreenderam. Sem Céu, meu céu não teria ganhado mais uma estrela.

A cantora ficou conhecida com músicas como "Malemolência" (Foto: Gisele Endres/Nonada)
A cantora ficou conhecida com músicas como “Malemolência” (Foto: Gisele Endres/Nonada)
Editora, nordestina, nômade e entusiasta de produções autorais. Gosta de escrever sobre música e qualquer coisa que seja cultura.
Ler mais sobre
Comunidades tradicionais Processos artísticos Resenha

Do ventre da árvore do mundo vem “O som do rugido da onça”

Processos artísticos Resenha

Em show autobiográfico, Caetano endossa “Fora, Bolsonaro” do público