re.sis.tên.cia
substantivo feminino

  1. ato ou efeito de resistir.
  2. propriedade de um corpo que reage contra a ação de outro corpo.
  3. recusa a submeter-se à vontade de outrem; oposição, reação

É impossível não falar de uma banda como As Bahias e a Cozinha Mineira sem temer pelo futuro que a humanidade nos reserva com essa onda retrógrada mundial. Resistência é o que precisamos em um dia como hoje, em que um misógino, racista e xenófobo foi eleito a pessoa mais importante do mundo. Resistência é também um dos termos que podem explicar a força de Raquel Virgínia e Assucena Assucena, vocalistas do grupo. A banda se apresentou no bar Opinião na última segunda (7), trazendo a Porto Alegre sua mistura musical de samba, soul, tropicalismo e ritmos nordestinos.

Resistência é palavra marcadamente feminina, e isso fez todo o sentido no show. Com letras inspiradas nas vivências das meninas, o setlist foi composto pelas músicas do álbum Mulher (2015). “Salve salve a todas as mulheres negras que resistem no Brasil”, Raquel bradou a certa altura do show, em um dos vários momentos em que a banda interagiu com o público. A noite estava destinada a ser de identificação e conexão entre as várias mulheres presentes na casa.

Tudo começou às 22h, quando a portoalegrense Camila Lopez subiu no palco para fazer o show de abertura, com um repertório que variou entre músicas autorais e Elis Regina (a quem a cantora prepara um tributo que deve estrear em breve). Camila tem uma voz potente, acolhedora e com uma versatilidade que flui de suas músicas mais intimistas até as que falam sobre a rotina do trabalhador brasileiro. Foi uma pena que a casa estivesse quase vazia, cenário que se alterou um pouco quando As Bahias apareceram, às 23h.

A baiana Assucena Assucena (Foto: Carol Corso/Nonada)

Como vem acontecendo há algum tempo na Segunda Maluca – responsável por trazer a Porto Alegre alguns dos nomes que estão renovando a música brasileira -, o público da noite foi escasso, mas intenso. Lá pelo meio do show, as cerca de 200 pessoas presentes pareciam muito mais.

Alternando nos vocais, Raquel e Assucena Assucena têm vozes que envolvem e presenças que inspiram, seja em passagens instrospectivas, seja nos momentos animados, que colocaram todo mundo para dançar. Nas músicas mais lentas, como “Ó Lua” e “Uma Canção Pra Você (Jaqueta Amarela)”, foi impossível não se hipnotizar pelos timbres e performances de ambas.

Feito rio que erode do espaço às margens: Trajetória
E dum choro contido, de branco e grinalda na média
Abusaram o desejo do corpo e teu sonho trajou de tragédia (letra de Apologia às Virgens Mães)

Com uma mistura que une a cultura brasileira a ações micropolíticas no âmbito do artivismo, (como a quebra de estereótipos de gênero), As Bahias integram um círculo de artistas que vêm levando a Música Popular Brasileira a um novo nível. São nomes como Tássia Reis, Ava Rocha, Liniker e os Caramelows, Jaloo e Karol Conká, por exemplo. Uma geração que sabe a importância que a força da arte tem nesse momento reacionário, que não foge da luta, que usa o talento para gritar feminismo, empoderamento negro e libertação.

Raquel dedicou o show a todas as mulheres negras do Brasil (Foto: Carol Corso/Nonada)

Assim como a maioria dessas cantoras e cantores, As Bahias também têm letras sociais, a exemplo de “Comida Forte” e “Josefa Maria”, que falam da migração nordestina – cultura com a qual as duas têm forte identificação, já que Assucena é baiana e Raquel, que nasceu no Grajaú, em SP, já morou no estado. O nordeste, aliás, é forte referência entre as composições delas, com citações a ícones da cultura brasileira, como Drummond, Gal Costa, Novos Baianos e Caetano Veloso.  

“Nordestina filha da Paraíba
Fez seus filhos nos trilhos da seca paulistana
Viu o pé de jaca que plantou
No seu quintal crescer
Sentiu as dores do mundo em seus joelhos
De tanto rezar” letra de Josefa Maria

A política se fez presente também no discurso, no momento em que as meninas declararam apoio às ocupações nas universidades do Rio Grande do Sul, contra a PEC 55. “Fora, Temer! A gente sabe pelo que lutou. Inclusive tem duas travestis no palco. A gente é cobra criada, meu amor”. Palavras prontamente aplaudidas pelo público. Em outro momento do show, alguém entregou a Raquel um papel, que ela leu com voz inflamada: OCUPA GERAL. De ocupar espaços negados pela sociedade e conquistar direitos, Raquel e Assucena entendem muito bem: as duas são estudantes de História na USP.

Nas músicas finais, homenagens a Bob Marley, Belchior e Milton Nascimento (com “Paula e Bebeto” e sua marcante frase “qualquer maneira de amor vale a pena”) fizeram o show terminar em catarse. Depois de uma noite de muita energia e inspiração, meu palpite é que muitas mulheres tenham ido para casa com a mesma ideia: Vamos ocupar tudo, manas.

Confira mais fotos (por Carol Corso):

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support