...

O rap diaspórico de Rincon Sapiência

Resenha Iarema Soares
Fotos Carol Ferraz

Em março de 2017, Rincon Sapiência  – também conhecido como Manicongo – veio à Porto Alegre e o show aconteceu em uma casa noturna de pequeno porte da cidade. Na época, ele tinha lançado o EP SP Gueto BR. Esse trabalho aborda a vida na periferia de São Paulo, versa sobre a tensão cotidiana que os periferianos enfrentam, mas não deixa de mostrar que ali tem arte, tem festa, tem resiliência e resistência. Na época, os hits “Ponta de Lança” e “Meu Bloco” eram os mais conhecidos e foram os que o projetaram nacionalmente.

Pouco mais de um ano depois, Rincon volta à capital gaúcha, desta vez no bar Opinião, mas não volta somente com o deejay que o acompanhou da última vez. Rincon não volta com apenas um ep lançado. Rincon não volta com a mesma estética. Nesse meio tempo, ele cresceu exponencialmente como artista, lançou o álbum Galanga Livre, rodou o Brasil, participou do festival Lollapalooza, fez parcerias e reforçou ainda mais sua identidade como autor e narrador da própria história.

Porto Alegre, RS, Brasil – Rincóon Sapiência no Opinião. Foto: Carol Ferraz/Nonada

Rincon fala por meio das rimas afiadas que abordam a violência e o racismo aos quais a população negra está exposta, exalta o amor afrocentrado, eleva a autoestima negra e faz ficção quando narra a história de um escravizado que matou o senhor de engenho. O artista fala com o corpo que dança de um jeito particular, peculiar e envolvente, coloca as pessoas na mesma sintonia por meio de acordes de guitarra, berimbau e atabaques e conversa com o público sem necessariamente falar com ele. As linhas compostas pelo artista apresentam um storytelling consistente e funcionam como complemento à sobressalente melodia produzida por ele.

Com o Opinião cheio, Rincon fez o público suar e seduziu a todos com o afro rep. A energia e ritmo que ele e a banda emanavam do palco chegou aos presentes que se deixaram guiar pela sonoridade do rapper da zona leste de São Paulo, apesar de, em alguns momentos, a aparelhagem técnica de som ter ficado aquém do esperado.

O artista passou por muitas tracks dos mais de 15 anos de carreira, mas, na primeira parte do show, mostrou as músicas do Galanga Livre. Álbum esse que conta a história da personagem homônimo que vive um misto de emoções por estar em fuga, aflito e sentindo-se livre após ter assassinado o senhor de engenho. O trabalho começa sua narrativa no período colonial, mas chega aos desejos da população negra contemporânea que luta e almeja chegar em determinados espaços, consumir determinados produtos, mas que, acima de tudo, quer viver, não somente sobreviver.

Usando roupas em tons terrosos e colares, Rincon doou-se em cada track cantada. O palco – que já era dele – virou quase uma extensão, a segunda casa do artista que chamou pessoas da plateia para dançar ao som de um dos filhos do gueto, o funk. A apresentação crescia, o público fervia e aconteceu o inevitável: estávamos todos em êxtase e influenciados pelo afro rep que transitava pelo jazz, samba e até mesmo o arrocha. Dessa miscelânea musical que bebe de fontes estadunidenses, africanas e brasileiras, do movimento de busca a origens e diálogo com o presente nasce a musicalidade de Rincon Sapiência.

Nesse ambiente hostil que é o Brasil para a comunidade negra, em um país no qual um jovem negro morre a cada 23 minutos, o rapper lembrou: “Nesse país machista contra as mulheres e racista contra nós (negros), todas as dificuldades impostas nos levam, naturalmente, a um lugar de luta. Eu consegui atravessar essa fronteira de impossibilidade que me foi imposta, desse destino sem perspectiva positiva que me foi traçado para estar com vocês aqui hoje”. A fala do artista está longe de qualquer alinhamento com a meritocracia, muito pelo contrário. Ela mostra o quão difícil é para negras e negros sair do lugar de submissão e subalternidade que o sistema racista forçosamente imputa. Com discurso de autoafirmação e exaltação da negritude, Rincon mostra-se como exemplo de uma outra realidade que pode ser sonhada de um outro lugar que pode ser vivido.

Porto Alegre, RS, Brasil – Rincon Sapiência no Opinião. Foto: Carol Ferraz/Nonada
Porto Alegre, RS, Brasil – Rincon Sapiência no Opinião. Foto: Carol Ferraz/Nonada
Porto Alegre, RS, Brasil – Rincon Sapiência no Opinião. Foto: Carol Ferraz/Nonada
Apaixonada por literatura. Ama escrever sobre o protagonismo negro nos mais diversos campos de conhecimento.
Ler mais sobre
Opinião Processos artísticos

Com atraso de décadas, mostra reúne artistas negros no principal museu de arte do RS

Direitos humanos Notícias Políticas culturais

Unesco sugere salário mínimo a todos os trabalhadores da cultura

Culturas populares Reportagem

A resistência do rap e do Hip-Hop no interior do Rio Grande do Sul