Foto: arquivo pessoal

A série Ouvidoria desta semana traz uma entrevista com Zoravia Bettiol, artista plástica, designer e arte-educadora. Nascida em Porto Alegre, RS, em 1935, ela é uma das primeiras artistas visuais a se inserir no mercado da arte no estado. Com temáticas atreladas à preocupação com o meio ambiente e à cultura popular, aos 65 de carreira, ela continua inquieta.

Zoravia participou de 151 exposições individuais e mais de 400 coletivas, em Bienais, Trienais e exposições importantes internacionais entre 1959 e 2020 na América do Sul, Europa, EUA e Japão. A mais significativa foi a retrospectiva Zoravia Bettiol – O Lírico e o Onírico no Museu de Arte do Rio Grande do Sul, em 2016. Suas obras estão em acervos dos principais museus e centros culturais do mundo como o Metropolitan Museum e o Brooklyn Museum, ambos de Nova Iorque; o Kunstindustriemuseet, de Oslo, Gabinet des Estampes Bibliothéque Nationale de Paris e o Museum of Modern Art, de Kyoto.

Recebeu os prêmios ABCA 2018, na categoria Homenagem pelo conjunto da obra, Prêmio Lideres e Vencedores 2012. Categoria Expressão Cultural. Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul e Federasul, Porto Alegre, em 2012, 2º Prêmio Joaquin Felizardo, em Artes Plásticas, em 2008, Comenda Pedro Weingärtner, por serviços prestados à comunidade. Concedido pela Câmara de Vereadores de Porto Alegre, em 2002. Foi homenageada em 2015 com a criação do Instituto Zoravia Bettiol que preservará sua arte além de difundir cultura e artes visuais.

Leia abaixo a entrevista na íntegra e aqui todas as demais entrevistas da série Ouvidoria.

Quando e como começou tua carreira?

Eu considero minha participação no 6º Salão do Instituto de Belas Artes, na sessão de pintura, em 1955, quando terminei o curso de habilitação em pintura, o inicio de minha carreira artística.

Principais exposições:

Realizei 150 exposições individuais e amis de 400 coletivas sendo que as mais significativas, individuais, foram: Zoravia Bettiol – O Lírico e o Onírico realizada no MARGS em 2016 e a mostra Arte Têxtil de Zoravia Bettiol no Museu de Arte e Industria de Oslo na Noruega, em 1984 e as mostras coletivas Evento Têxtil 85, em 1985 no MARGS e que itinerou em museus de Florianópolis, Curitiba, Belo Horizonte, Rio de Janeiro e São Paulo em 1986, a exposição Figura – Internationale Buchkunst Austellung em Leipzig, na Alemanha, em 1971 e a IV Bienal Internacional de Tapeçaria em Lausanne na Suíça, em 1969.

Como você descreveria sua essência enquanto artista?

A história do ser humano, seus sonhos, inquietudes, afetos, a justiça social e o ambientalismo são temas recorrentes em minha obra.

O que mais irrita na cena cultural?

As contratualizações das instituições públicas, o corte das verbas nas áreas de pesquisa, educacional, artística e cientifica e as verbas cada vez mais vergonhosas e diminutas para a área cultural.

Quais qualidades são imprescindíveis a um artista?

Penso que a inclinação para uma determinada área artista, seu estudo aprofundado, o trabalho continuado para ser um profissional e a perseverança são imprescindíveis para um artista.

Qual o momento de maior dificuldade que já passou na carreira?

Foi ter deixado a minha mudança durante 15 anos em deposito no Brasil e sendo que muitas das minhas obras de arte, móveis e objetos terem sido destruídos e roubados. Isto aconteceu durante 7 anos que vivi em São Paulo e os 8 anos que morei em São Francisco, na Califórnia.

 E de maior felicidade?

É eu estar produzindo arte ininterruptamente há 65 anos e vivendo do meu trabalho.

 Um artista não deve… Apoiar regimes fascistas.

 Cinco coisas que mais te inspiram a criar (vale tudo):

As cinco raízes mais importantes do meu trabalho são: o lirismo, a mitologia, o ambientalismo, a área social e a lúdica que às vezes aparecem separadamente e às vezes associadas entre si.

Acredita em arte sem política?

O ser humano é um ser social e politico e nas obras de arte acaba aparecendo estes posicionamentos relacionados ao artista que as criou.

 Qual seria o melhor modelo de financiamento da arte?

Alongaria-me muito em abordar o modelo de financiamento da arte. O Brasil já investiu 6% dos seu PIB, grande parte em renuncia fiscal, na cultura. Hoje investe 4% do PIB. Uma boa comparação é a Coreia do Sul, que obteve o Oscar de melhor filme, com o filme Parasita, por exemplo, que investe 8 vezes o valor investido no Brasil.

Existe cultura gaúcha?

Existe a arte realizada no Rio Grande do Sul por artistas de diversas formações, tendências, e que abordam as mais variadas temáticas.

 Que conselho você daria a Jair Bolsonaro?

Não vou perder meu tempo com um ser desiquilibrado, ignorante e cruel. Ele já conquistou seu lugar como o pior presidente do mundo, com sua politica genocida, que se acentuou muitíssimo durante a pandemia da Covid-19 e, com incentivo à destruição dos povos indígenas e a destruição da Amazônia.

Todo artista tem de ir onde o povo está?

Com as redes sociais a divulgação da obra dos artistas é mais rápida e mais fácil do que há anos atrás. Mas estar onde o povo está seria necessário que a escola e as famílias abordassem a obra dos artistas. Assim formaria um público interessado no conhecimento.

Ser brasileiro é…. Lutar pela justiça social, contra o racismo, pela educação pública e de qualidade, pela saúde pública, contra a destruição da Amazônia e pela democracia e soberania nacional.

 O que você mudaria no jornalismo cultural?

Mais espaço tanto na mídia escrita como falada para divulgar o que é produzido pelos nossos artistas. Que os jornalistas que se dedicam a área cultural sejam mais preparados para exercer esta especialização e que o público mais visado sejam as crianças, os adolescentes e os jovens.

Um livro: Vidas Secas do Graciliano Ramos.

 Um espetáculo: O ótimo espetáculo Grande Sertão Veredas do Grupo Galpão que é uma instalação da Bia Lessa com um excelente elenco, ressaltando o ator Caio Blat.

 Um álbum: Caravanas, de 2017, do sempre renovado Chico Buarque.

 Um filme: O belo e instigante filme O Paraíso Deve Ser Aqui com direção de Elia Suleiman.

 

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support