Fotos:Fernando Halal

Flanders, o líder do Vanguart: folk do grupo funciona melhor em português

O Vanguart é conhecido por fazer um dos melhores shows nacionais de pop rock (embora o termo seja genérico demais para definir a música da banda mato-grossense). Por isso, era de se esperar que o público presente na edição do projeto Segunda Maluca realizada nesta segunda-feira, 19 de dezembro, no bar Opinião, fosse um pouco maior. Quem não foi, vacilou: o grupo liderado por Helio Flanders é, de fato, um prodígio em cima do palco.

A abertura dos trabalhos ficou por conta da Dingo Bells. Ao contrário do que ocorreu na abertura do show de Ringo Starr, os gaúchos puderam dispor de uma bateria, mais o trio de metais que vem os acompanhando há algum tempo. Assim, fizeram uma apresentação mais “encorpada”, com ótima aceitação da plateia e elogios da atração principal.

Depois de lançar um bom disco de estreia, mas que atirava para todos os lados, o Vanguart passou por um período relativamente longo sem gravar. Voltou com um segundo álbum mais coeso, Boa Parte de Mim Vai Embora, lançado este ano. Obviamente, o show atual é baseado nele, a começar pela cativante faixa de abertura “Mi Vida Eres Tu”, única com um trecho que não é cantado em português, como entrega o título. Felizmente, a banda privilegia as músicas em seu idioma pátrio, mesmo que Vanguart (2007) tenha muitas composições em inglês – algo que predominava nos EPs anteriores. Essa opção trouxe unidade ao show, além de valorizar as interessantes letras de Flanders.

Após “Cachaça” e “Desmentindo a Despedida”, entra em cena a bela violinista Fernanda Kostchak. Mas não se engane: a menina não está ali como um mero atrativo visual. A riqueza dos arranjos de “Das Lágrimas” (com os vocais do baixista Reginaldo Lincoln), “Enquanto Isso na Lanchonete”, “Amigo” e “Nessa Cidade” demonstram que a tendência é de o Vanguart contar cada vez mais com sua sexta integrante.

Certamente a faixa mais famosa do Vanguart, “Semáforo” surge cadenciada e dramática no arranjo feito por Cida Moreira e Arthur de Faria. Este, inclusive, sobe ao palco para dividir os vocais com Flanders (e a plateia) e tocar acordeom.

Violinista Fernanda Kostchak, a sexta integrante do Vanguart

“Antes que Eu me Esqueça” e “O que a Gente Podia Fazer” são as últimas antes da saída de Fernanda do palco (ela voltaria para o encerramento) e do momento mais agitado do show. O hit “Para Abrir os Olhos” põe todo mundo pra dançar, a exemplo de “Depressa”. A linda “Onde Você Parou”, também com vocais de Lincoln, e “Cosmonauta” antecedem uma surpresa bacana: com o guitarrista Guri Assis Brasil no palco, o Vanguart faz sua versão de “1996”, da Pública. Emocionado, Flanders rasga elogios ao rock gaúcho.

Aliás, o vocalista faz questão de ressaltar o tempo todo sua identificação com Porto Alegre, citando pessoas, bandas e até mesmo lugares. A única coisa que o incomodou foi o calor, do qual reclamou várias vezes, brincando que “Porto Alegre era mais quente que Cuiabá”. Algo difícil de imaginar, embora a temperatura realmente estivesse insuportável naquela noite.

O show termina com a impagável “Se Tiver que Ser na Balada, Vai”, a versão original de “Semáforo” (imagine se os fãs iriam ficar satisfeitos apenas com a versão anterior!) e “O Mar”, de Dorival Caymmi, gravada no ao vivo Multishow Registro Vanguart. Todos saíram do Opinião pingando de suor, mas com a alma lavada. Afinal, os comentários sobre a qualidade do show do Vanguart eram verdadeiros.

Deixar um comentário

Não há comentários nessa página ainda. Vamos começar essa conversa!

Deixe uma resposta

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support