...

Festival Do It Yourself: é hora de VOCÊ fazer acontecer

Fotos: Fernando Halal

Se há algo que ainda perdura em meio aos eternos revivais e funerais do movimento punk é o espírito empreendedor da contracultura setentista, o chamado “do it yourself”, ou simplesmente DIY. Em vez de ficar em casa vendo TV e reclamando de como o sistema é mau e de quanto o mundo é injusto, arregace as mangas e faça você mesmo.

phantom1
Misturando do punk à surf music, Phantom Powers abriu a noite

É com essa premissa que ocorreu, nesta terça-feira, dia 19 de maio, no Paraphernalia Bar, a segunda edição do festival Do It Yourself. Bandas independentes de Porto Alegre, com um bom repertório autoral, unidas pelo puro prazer de tocar, mesmo que para poucas pessoas – dois terços dos 180 e tantos confirmados no Facebook acharam que o importante mesmo era marcar presença na rede social.

As atrações da noite eram familiares para quem conhece a cena rock porto-alegrense. Há algum tempo na estrada, o duo Phantom Powers, formado por Tio Vico (voz, violão e ritmo) e Ray Z (guitarra), vem fazendo seu nome nos inferninhos da cidade. Apesar da formação, digamos, compacta, o som dos caras passa longe do acústico de boteco, com uma mistura interessante que vai do punk à surf music. Na ocasião, a banda lançou o single “Rock and roll Is Damn Good”, além de tocar várias faixas de seu ótimo EP de estreia, como “I Have to Move Along” e “Mother Nature’s Call”, e um improvável cover de “Pyscho Killer”, do Talking Heads.

walverds2
Com duas décadas de estrada, Walverdes mostrou que continua em forma

Há duas décadas resistindo no underground, a Walverdes encerrou a noite com a competência de praxe, e nem o sumiço dos palcos – a banda está finalizando um novo álbum – enferrujou Gustavo “Mini” Bittencourt (vocal e guitarra), Julio Porto (guitarra), Patrick Magalhães (baixo) e Marcos Rubenich (bateria). Apesar de o som do microfone de Mini estar um pouco baixo, deu pra bater cabeça com “Altos e Baixos”, “Seja Mais Certo”, “Anticontrole” e outros clássicos do mundo “walverdiano”. Para encerrar, o medley de “Sweat Leaf”, do Black Sabbath, com o dub “Demasiada Sequência”, já tradicional nas apresentações da banda. Torçamos para que o sucessor de Breakdance (2010) venha nesse nível.

A sensação no fim de noite era um misto de nostalgia – por remeter a um tempo em que bares como os finados Dr. Jekyll e Garagem Hermética recebiam o melhor da cena independente – e de excitação – por ver que essa realidade não precisa ficar no passado. Bandas, produtores e toda a cadeia que envolve a cena musical parecem estar engajados, como mostram o Brgamota Nights (resenha aqui) e o vindouro Paraiba’s Festival. Agora é hora de o público dar as caras e não deixar essa cena morrer.

Ler mais sobre
Comunidades tradicionais Processos artísticos Resenha

Do ventre da árvore do mundo vem “O som do rugido da onça”

Processos artísticos Resenha

Festival Porongos: música preta independente do Rio Grande do Sul

Memória e patrimônio Reportagem

Áspera e desigual: como Porto Alegre chega aos 250 anos segundo seus artistas