por Glauber Cruz

Talvez tenham sido cores e sotaques que o Dolby Theatre não tenha visto ou ouvido em todos os seus anos de história. Naquela noite do último 29 de janeiro, ele que é um dos espaços mais célebres (e brancos) de Hollywood foi ocupado por diferentes tons e sons, virando palco para uma verdadeira celebração da cultura negra.

A premiere de Pantera Negra, com toda sua diversidade, foi o ponto alto da espera pelo filme solo do personagem, que apareceu pela primeira vez nos cinemas em Capitão América: Guerra Civil, numa participação que deu os tons mas não entregou tudo sobre o herói vindo do fictício país africano de Wakanda. Escrito e dirigido por Ryan Coogler (diretor de Creed e Fruitvale Station) o filme, que estreia no próximo dia 15, traz nomes de peso como Angela Bassett, Forest Whitaker, Lupita Nyong’o e Michael B. Jordan e já ocupa o posto de filme de super-herói com o maior número de ingressos vendidos durante a sua pré-venda, refletindo toda a ansiedade em torno do filme.

Porém, diferentemente dos filmes anteriores do estúdio (e mesmo dos títulos que serão lançados ao longo de 2018, como Vingadores 3: Guerra Infinita e Homem-Formiga e a Vespa), a expectativa em torno de Pantera Negra vai além da pura expectativa pelo filme em si e pelo que ele pode apresentar na tela em termos técnicos e narrativos: é o impacto fora dela que tem sido o principal combustível para a contagem regressiva para a estreia do longa.

Imagem: Ryan Meinerding/Marvel

“É muito mais que um filme” disse o ator Chadwick Boseman na premiere do dia 29. De fato, Pantera Negra deve ser encarado como algo que vai muito além de mais um peça no quebra-cabeça do universo Marvel nos cinemas: ele é fruto de uma série de discursos e movimentos que vêm questionando a arte (especialmente o cinema) sobre como e quando negros, mulheres, gays, transexuais, latinos e tantos outros grupos marginalizados são representados nas telonas; é fruto da luta desses grupos por espaço em um universo ainda de difícil acesso, um espaço que não seja coadjuvante, que seja respeitoso e que se desloque do espaço comum no qual essas pessoas são sempre confinadas.

Criado em 1966 por Stan Lee e Jack Kirby, o Pantera Negra não era, segundo Lee, uma referência ao partido homônimo que se tornou o principal foco de luta contra o racismo em um país marcado pela segregação racial (institucional ou não). Ainda assim, o Pantera, alter ego de T’Challa, rei de Wakanda, se afirmou como um personagem singular numa época pautada pela luta por direitos civis. Era o primeiro super-herói negro a ganhar uma HQ solo, abrindo portas para outros personagens como Luke Cage, também da Marvel e Lanterna Verde (na sua forma John Stewart), da DC Comics, ambos criados na década de 70. Mais de cinquenta anos depois, o Pantera ganha uma adaptação para o cinema, e dessa vez afirma a sua importância e razão: numa Hollywood pós-OscarSoWhite, a equipe do filme nunca deixa de lembrar a potência que é ter um filme protagonizado por um super-herói negro, ambientado na África, escrito e dirigido por um cineasta negro e estrelado por um elenco majoritariamente negro. Algo completamente inédito em um blockbuster.

Pantera Negra é um filme necessário no momento certo. Um momento em que se questionam relações e pensamentos, que se desconstroem expressões e ações, que se cobra a presença de artistas negros em premiações e em papeis que ainda são sempre pensados para artistas brancos. Um momento em que se discute muito sobre representatividade, sobre as formas dessa representatividade e a necessidade de pensar outros espaços, outras histórias, outras vivências e personagens. Nesse universo de debates, réplicas e tréplicas, um filme da Marvel Studios é um instrumento potente com a possibilidade de acessar um número enorme de jovens negros, mostrando-lhes que é possível sim protagonizar outras histórias. É uma oportunidade de se olhar, de se pensar de um forma diferente. E não só se ver, mas também se ouvir. Comandada por Kendrick Lamar e com nomes como SZA, The Weeknd e Future, a trilha sonora vai trazer para o Marvel Cinematic Universe (MCU para os mais íntimos) a negritude do rap em uma trilha que sai do eixo de todos os trabalhos já produzidos pelo estúdio e que, mesmo antes do lançamento do filme, parece já ter vida própria sem ele.

O filme também se mostra uma possibilidade de lançar um novo olhar para a África. Um olhar que é, claro, fictício, mas que contribui ao menos para o início de uma discussão sobre o necessário processo descolonização do nosso pensamento. Pensamento raso, imediato e predeterminado de África como um continente uniforme e uniformemente marcado pela pobreza. Além disso, é um potencial argumento para que crianças e adolescentes (e porque não também os adultos) reconheçam a África como a peça matriz de sua ancestralidade, de afirmar que há sim um vínculo entre ela e todos aqueles de pele preta ou parda espalhados pelo mundo.

Partindo do princípio de que representatividade é muito mais do que um conceito abstrato e que sim, ela importa, Pantera Negra é fermento para todas essas discussões e também para a alegria de, de certa forma, se ver na tela. No mesmo ano que Stan Lee e Jack Kirby criavam o Pantera, a atriz Whoopi Goldberg, então adolescente, viu Nichelle Nichols na televisão, na recém lançada Star Treck. No papel da Tenente Uhura, Nichols era a primeira mulher negra com um papel de destaque que Whoopi via na televisão. Num mundo em que, mais de 50 anos depois de Nichols aparecer pela primeira vez como a Tenente Uhura, ainda se discute muito a representação do negro (seja a falta de ou a forma de) na arte, é inspirador como Pantera Negra tem o potencial de causar justamente essa sensação: a sensação de se ver, de ser destacado em mundo que sempre lhe esquece ou lhe destaca de uma forma distorcida. E mais: afirmando suas cores, seus sons, sua diversidade, sua riqueza cultural

No Brasil, já pipocam eventos que planejam repetir o que o elenco do filme fez no dia 29 no Dolby Theater: o necessário ocupar das salas de cinemas, o enegrecimento de um espaço infelizmente ainda tão elitizado e distante das grandes massas, essas em sua maioria negras.

Que venha o Pantera, Wakanda vive!

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support