Qual o papel da mídia na legitimação do machismo gaúcho?

Foto captada no centro de Porto Alegre (crédito: João Vicente Ribas)
Foto captada no centro de Porto Alegre (crédito: João Vicente Ribas)

Texto João Vicente Ribas (originalmente publicado no blog Pampurbana, em 2014)

Crescemos sem aprender a questionar a representação cultural baseada no mito do gaúcho e a tomamos como gentílica de forma automática. Mesmo quando pensamos que não somos pessoas do campo, nem da região da campanha, vem o Movimento Tradicionalista Gaúcho (MTG) e nos consola, com um discurso unificador que abarca a diversidade cultural e social da região. Assim, é possível ser gaúcho fronteiriço, gaúcho colono, gaúcho negro… só não pode ser gaúcho gay.

A mídia foi a grande responsável pela consagração do gauchismo. Até a metade do século XX, não havia este fenômeno que guia o parecer-ser sul-rio-grandense. Foi regionalizando a indústria cultural que produzimos esta identidade. Aprendemos a parecer-ser gaúchos consumindo discos, assistindo à televisão, comprando a pilcha da moda, etc. Mas não racionalizamos este sentido pragmático e utilitário da cultura de massa. Cremos, sim, no discurso idealizado do MTG, para quem estes “costumes” fazem parte de uma tradição herdada de nossos antepassados.

O jornalismo há décadas “comprou” este discurso tradicionalista de herança cultural. A cada semana farroupilha, data áurea da representação gauchesca, nós repórteres entrevistamos crianças que são levadas pelos pais a desfiles cívicos, bailes, CTGs e acampamentos. Elas ficam lindas nas fotos e na tela, de bombacha ou vestido de prenda (não ousemos confundir os gêneros). Daí escrevemos: “é a tradição passando de pai pra filho”. Nunca perguntamos: o que é tradição? Que valores esta “tradição” carrega?

Até hoje na mídia do Rio Grande do Sul, ignoramos ou não damos muita saliência para as contradições e incongruências do gauchismo. Num exercício contínuo de eufemismo, consideramos como bravateiro um modelo sócio-cultural que na verdade se constituiu violento e conservador. Refiro-me aqui à institucionalização do mito e ao imaginário contemporâneo sul-rio-grandense, à revelia de outras versões mais libertárias oferecidas pela literatura gauchesca.

Em pesquisa conduzida pelo pesquisador Tau Golin na Universidade de Passo Fundo entre 1997 e 2000, foi produzido um ranking das músicas mais tocadas nas rádios da cidade, com temática ligada ao gauchismo. Destacaram-se “Não Chora, China Veia” (Garotos de Ouro) e “Criado em Galpão” (Os Serranos). Analisando as letras destas canções ficou evidente uma estética comum de relacionamento, baseada num modelo animalesco, machista e violento.

Versos como “Não chora, minha china veia, me desculpe se eu te esfolei com as minhas esporas” e “uso uma bombacha larga com feitio do melhor pano, e um trinta ao correr da perna, com um palmo e meio de cano” foram entoados exaustivamente na programação de cinco rádios. Outra que merece destaque é a música símbolo do município: “Gaúcho de Passo Fundo” de Teixeirinha. Entre os versos que identificam o passo-fundense oficialmente estão: “Eu sou gaúcho lá de Passo Fundo, trato todo mundo com muito respeito, mas se alguém me pisar no pala, meu revólver fala e o bochincho está feito”.

Heróis valentes?

Este modelo é justificado, de forma diletante, na história. A versão mítica da Revolução Farroupilha é o principal alimento do imaginário gauchesco. A infâmia farrapa, traidora de negros e sanguinária (conforme Juremir Machado da Silva), é escondida atrás de ideais humanistas de liberdade e igualdade. E esta versão se legitimou ao longo dos anos porque nós jornalistas entrevistamos tradicionalistas para falar do tema, não historiadores. Ou, nas questões mais polêmicas, colocamo-los lado a lado, como se fossem debatedores equivalentes.

Talvez por uma característica própria do jornalismo, de ter que lidar com a imprevisibilidade dos acontecimentos, há o predomínio de pautas ligadas a uma agenda de eventos previstos. Assim, para o teórico Nelson Traquina, a ênfase editorial está em acontecimentos, não nas problemáticas. E quando há conflitos latentes, tende-se a tratar de forma bipolar, pois é mais simples colocar dois lados em oposição (bem contra o mal) do que entender e explicar ao leitor um fenômeno controverso.

Desta forma, o MTG construiu uma relação habitual de acesso ao campo jornalístico. Ao longo dos anos, os tradicionalistas foram se tornando fontes imbuídas de autoridade e credibilidade, com intensa produtividade. Os inúmeros eventos gauchescos conquistaram preferência na cobertura, por reunirem uma gama de valores-notícia, como fator local, freqüência, legitimidade da fonte, disponibilidade da cobertura, e por se enquadrar na esfera do consenso (construído, mas real).

Agora, temos que reconhecer que há um conflito no fazer jornalístico, nas questões geradas pelo tradicionalismo. Os fatos e coberturas recentes evidenciam isto. Quando um casal homossexual sofre discriminação por querer casar dentro de um CTG, e este é incendiado, o tradicionalismo deixa de ser o desfile bonitinho das crianças pilchadinhas, para revelar sua face arbitrária e preconceituosa que em meio século de organicidade já inoculou um ethos estancieiro e conservador no imaginário sulino (parafraseando Tau Golin).

Nesta hora, como ficamos nós jornalistas, guardiões da democracia? A defesa dos Direitos Humanos está expressa no Código de Ética dos Jornalistas Brasileiros, como um dever. Assim como opor-se ao arbítrio e ao autoritarismo, e defender os direitos do cidadão, contribuindo para a promoção das garantias individuais e coletivas, em especial as das crianças, dos adolescentes, das mulheres, dos idosos, dos negros e das minorias (!).

Portanto, se é dever ético-profissional do jornalista defender os Direitos Humanos, precisamos entender e nos posicionarmos criticamente em relação ao gauchismo, enquanto modelo das relações violentas. Outro fato recente no norte do estado, que pareceu ser inofensivo e “passou batido“, poderia gerar pautas de problematização em toda mídia sul-rio-grandense. Em agosto, a Prefeitura de Passo Fundo entregou coleções de DVDs em todas as escolas municipais, com a filmografia completa de Teixeirinha. A mídia local apenas registrou o ato, reproduzindo o discurso do prefeito em nome da identidade do município atrelada ao cantor e cineasta. Em momento algum se questionou o sentido pedagógico de entregar aos professores filmes antigos de bangue-bangue, que reforçam estereótipos machistas e violentos.

Pra maioria, emoção; pra minoria, imparcialidade

Estes exemplos ilustram uma prática de colaboração da mídia para a idealização do gaúcho, junto de toda sua carga simbólica preconceituosa. Não são poucas as manchetes na Semana Farroupilha evocando o “orgulho de ser gaúcho”. Acompanho o tema atentamente há uns dez anos, como jornalista e pesquisador. Neste ano de 2014, esta lógica se repete, principalmente na televisão, no rádio e nas capas diárias dos jornais com motivos gauchescos, setembro inteiro.

Como exemplo, analisei a edição do programa Tele Domingo da RBS TV do dia 14 de setembro de 2014. Havia duas reportagens relacionadas ao gauchismo: o casamento gay que não pôde ser realizado dentro de um CTG e outra sobre a chama crioula. O programa iniciou com música de tom épico, mostrando imagens de fogo de chão e um homem pilchado tomando chimarrão. A seguir, a apresentadora anunciou as manchetes, incluindo as duas matérias já citadas.

A primeira a ser apresentada foi uma reportagem sobre a simbologia do fogo na tradição gaúcha. Uma edição muito bem cuidada, com imagens bonitas e música de tom solene. Mostrou-se primeiro um galpão na cidade de São Sepé, em que os entrevistados afirmam manter um fogo eterno há 200 anos. Conta-se esta história associando-a à tradição gaúcha do fogo de chão. Em seguida, cola-se o tema da chama crioula, espécie de tocha olímpica que desde 1947 serve de artifício simbólico para chamar atenção para as comemorações da semana do gaúcho. O que acaba ocorrendo é uma sequência discursiva que liga os significados primitivos do fogo a uma prática inventada no século XX. Assim justifica-se sentidos de herança cultural, de tradição passada de geração em geração desde a perder de vista.

Na segunda reportagem, com menos tempo de duração, podemos reparar a diferença no processo de edição. As duas noivas de Livramento tiveram cerimônia dentro do Fórum da cidade, porque o Centro de Tradições Gaúchas em que casariam foi queimado por fundamentalistas do gauchismo. O fato obteve cobertura à altura da cartilha da objetividade e da imparcialidade. Imagens duras, com luz direta, e nenhuma trilha para o beijo lésbico. Terá sido justa esta cobertura? O acontecimento não foi um marco histórico para a sociedade sul-rio-grandense?

Por outro lado, artigos de colunistas dos maiores jornais do estado, Correio do Povo e Zero Hora, sobre o casamento gay no CTG de Livramento, indicam que o direito à sexualidade é maior que o fundamentalismo tradicionalista. Escreveu Juremir Machado da Silva: “Ninguém tem o direito de não gostar de homossexuais”. Moisés Mendes e Cláudia Laitano também defenderam o casal de gurias e criticaram a posição do MTG. Claro, os espaços dedicados a opinião, nos jornais impressos, são mais propícios à reflexão. Mas talvez nenhum fato até hoje havia pautado tão fortemente os articulistas com a crítica ao tradicionalismo.

No caso das matérias, ainda prossegue a cobertura carregada de emoção para a agenda farroupilha. Há exceções, como a ótima matéria de Kamila Almeida, em 31 de agosto no jornal Zero Hora. Reportagem extensa com direito a capa, contou a história dos jovens tradicionalistas que questionam as regras inflexíveis do movimento. Jovens gays inclusos.

Há motivos para crer que o gauchismo é o principal catalisador do machismo no estado do Rio Grande do Sul. Assim, por um dever profissional e humano, nós da mídia não podemos reproduzir esta cultura de forma acrítica. Salva a maior parte dos colunistas de jornais, falta a nós repórteres e editores, de rádio e televisão, principalmente, não nos deslumbrarmos com a profusão de amor pelo cavalo, que assola o mês de setembro. Há regionalismos e regionalismos.

Agora, vamos falar da publicidade?

—————————————

No dia 20 de setembro, o coletivo Conceito Arte promove um evento no bairro Sarandi para desconstruir o mito e lembrar o apagamento de minorias. A programação incluir rodas de conversa sobre o papel dos negros na revolução e um espetáculo da Cambada de Teatro Levanta Favela.

Mais informações: https://www.facebook.com/events/522215804610112/

Compartilhe
Ler mais sobre
Memória e patrimônio Reportagem

Centenário é importante para revisar mitos da Semana de Arte Moderna

Processos artísticos Resenha

Em Vozes de retratos íntimos, Taiasmin Ohnmacht desenrola os fios da história de sua família 

Institucional Notícias

11 anos e muito trabalho pela frente